terça-feira, 29 de setembro de 2009

IT’S ALL ABOUT LOVE

Depois de passar alguns meses fora do Brasil, 10 dias atrás, me pego desembarcando no aeroporto de Guarulhos.
Cinco e meia da manhã de uma segunda-feira. “o que eu tô fazendo aqui?” é a primeira pergunta que me veio a cabeça quando o avião tocou o solo brasileiro. Ainda meio sonada pelas 12 horas de viagem, espero minha mala. Não chega. Espero mais um pouco, com paciência, depois de alguns poucos 15 minutos, ela vem.
Boto tudo no carrinho ( minha pequena mala esturricada, minha mochila - que mais parecia uma bola de basquete) e me mando pro saguão do desembarque.
Telefono pro meu pai, ele me pega em Congonhas.

O ônibus só sai as 6 e meia. 5 pessoas na fila. Faltam 30 min. Resolvo encher o saco de alguns amigos logo pela manhã. Estaciono no orelhão e lá disco, um, dois, três números! Haha! Amiga chata é assim mesmo.
Volto pra fila do ônibus, impressionante como as 5 pessoas, de repente, viraram 30. O cara lá da frente grita. “tá cheeeeio!” Conclusão, perdi o busão. Outro só dali uma hora. Nem um pouco contente de estar em Guarulhos, numa segunda-feira quase 7 da manhã, respiro fundo, e sem ter outra opção, resolvo esperar o próximo ônibus numa boa. Um casal se senta ao meu lado. O marido quieto, a mulher esbaforida, indignada, não entende o porque de alguns porques da vida dela. Nessa hora penso que gostaria muito se não entendesse a lingua que eles falam. Mas sim, eu entendo. Escuto a mulher às vezes até achando graça do seu sotaque. O marido, mudo. Coitado. Continuo ouvindo até quase minha paciência acabar. Como que alguém pode falar tanto às 6 e meia da manhã?!? Resolvo botar o meu fone de ouvido, pastinha EUROPA 2009.

Passo a semana na babilônia. Revejo amigos, falo com outros tantos, saio na balada, ouço uma BANDA! Depois de 7 dias desço pra praia. Sentimento diferente, estranho. Estranho até ver o mar de Camburi, as ondas. Tem meio metro, mas já acho que tem muito! Hahaha!

Encontro com o pessoal na praia, saudades. Converso com pessoas que muitas vezes antes nem cumprimentava direito. Me sinto mais aberta, mais comunicativa. Mas o sentimento de estranheza continua, por dias e dias. Já sinto que não pertenço mais a esse lugar. Esse lugar pertence ao meu coração. Talvez agora queira pertencer ao mundo. Sinto falta da Holanda, saudades e muitas. Mas estou aqui. Me conscientizo de que preciso estar no lugar que estou. Até pelo menos me mudar novamente! Tomo conta de que não tem lugar melhor ou pior, é só….diferente. Começo a reparar. Não mudou muita coisa fisicamente por aqui. O que mudou foi o objetivo. O sentimento é o mesmo. É de amor.

De um tempo pra cá já sentia uma mudança interna e esses quase 6 meses me ajudaram a acreditar em algumas coisas, ver outras e aprender muito.

Aprendi a olhar pras feridas abertas do meu passado, enfiar o dedo lá dentro e ainda torçer.

Aprendi a gargalhar até chorar. Aprendi a chorar encolhida até faltar o ar. Aprendi a olhar a dor, o sofrimento e não mais fingir que ele não existe.

Aprendi a tirar as palavras do coração, por mais que muitas vezes eu não saiba expressar tão bem como eu sinto, ou escrevo.

Aprendi a jogar poker, e a jogar direito ainda!

Aprendi a dançar sem vergonha de mexer meu corpo e não me importar se desafino quando canto uma música que eu gosto.

Aprendi a ser um pouco mais delicada (às vezes) com esse meu tamanhão todo.

Aprendi a ouvir melhor as críticas e a criticar também.

Aprendi que somos seres únicos e por isso aprendi a ter curiosidade para saber as experiências que cada um já teve.

Aprendi que o mundo não é feito de respostas e sim de perguntas.

Aprendi a encarar as coisas que me irritam em mim durante anos e eu nunca quis realmente mudar. Aprendi que não quero mais me irritar comigo mesma.

Aprendi a gostar (mas não taaanto assim) de sentir saudades.

Aprendi que antes de sermos 2 somos 1.

Aprendi a respeitar mais os sentimentos dos outros, mas sem querer salvar a vida deles.

Aprendi a falar do que gosto e do que não gosto.

Aprendi a ser cuidada e amada.

Aprendi a andar de bicicleta bêbada (hahahaha!) e a pedalar de mãos dadas.

Aprendi a gostar de outra parte da vida, experimentar outros sabores.

Aprendi que sonhar não é fantasiar.

Aprendi a tentar, a descobrir.

Aprendi que o medo é nosso maior inimigo interno.

Aprendi a crescer, e crescendo aprendi a acreditar em mim, antes de acreditar em qualquer outra pessoa.

Aprendi que a vida é amor, e que se amar é a nossa primeira regra básica.

Quero agradeçer a pessoas muito especiais, independente da ordem dos nomes, todas elas são peças preciosas na minha vida. Esse texto é uma pequena declaração de amor para vcs.

Guiba, meu sincero e falante (e lindo) namorado, que caminha junto nessa evolução. Amor de alma. Agradeço todos os dias por termos nos (re) encontrado. Ainda temos muito o que viver juntos. Não vejo a hora de te abraçar. Sua filha me ajudou a aprender que o que importa são as atitudes e não muito as palavras. Sinto falta da energia dela. Obrigada por compartilharmos tantos bons momentos esse ano, nós 3!

Jubows, anos de amizade que não foi destruída pelo tempo. Valeu pela força! Me farta até as palavra pra falá de vc bela! Hahaha!

Amo vcs 2 muito (gui e ju)! E apesar de serem dois bocudos destrambelhados, são o meu norte. Meu porto seguro.
Valeeeeeeeeuuuuuuuuuu!

Pedrão, por suas palavras sinceras e….calmas. Obrigada por me escutar.

Grá, por sempre estar conectada e sei que vai ler esse texto, sempre me manda mensagens certas nas horas certas. Só tenho que te agradeçer.

Fernandão, meu grande amigo, irmão. Cara, somos piscianos, a gente se entende nas qualidades e nos defeitos! Valeu pela força!

Brisa, outra pisciana maluca, com que compartilha minhas histórias. Obrigada por ser linda desse jeito!

Fatiminha, por estar ao meu lado nas horas mais bizarras e ainda rirmos disso!

Mãe e pai, por sempre acreditarem em mim e me apoiarem nos meus sonhos mais loucos. Não queria ter outra mãe nem outro pai que não fossem vcs.

Todos meus amigos holandeses que me ensinaram que independente da lingua que se fale o que a gente sente dentro do peito é o mesmo! Obrigada por se preocuparem comigo e pelo carinho como me receberam.

Song: The Beatles - All You Need Is Love

Frase: "Não existe desespero tão absoluto quanto aquele que surge nos primeiros momentos de nosso primeiro grande sofrimento, quando não conhecemos ainda o que é ter sofrido e ser curado, ter se desesperado e recuperado a esperança."

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Heart's Temple

Escrevi esse texto em Dublin, Irlanda, no dia 14 de Junho, temendo não conseguir mais 3 meses de visto.....

Esse texto começa a ser escrito através de uma situação inusitada. Pergunto para Linda, a recepcionista, se ela tem um papel em branco. Depois de passar alguns minutos conversando com ela e dividindo histórias de vida, resolvo que é hora de expressar o significado da minha vinda à Europa.

Estou em Dublin, na Irlanda, uma cidade aonde realmente não esperava descobrir o propósito de tudo isso. E diga-se de passagem, não é o cenário ideal para se encontrar significado pra nada a não ser pra ficar bêbado e escutar boas músicas! Algumas peças aqui se juntaram na minha vida, me fazendo sentir, pela primeira vez, o real significado do que é ESTAR VIVO.

Sempre acreditei que estando aberto para os acontecimentos da vida, e atento para os seus sinais, o universo conspira a seu favor, fazendo que com que tudo que é seu por merecimento venha a você. O que acontece é que muitas vezes pensamos que estamos, ou realmente queremos estar abertos, mas deixamos o medo, a timidez, a baixa auto confiança e estima bloquear tudo o que está reservado para nós, sendo assim caimos no nosso próprio marasmo de que nada acontece e tudo fica sem graça.
Outras vezes colocamos máscaras e interpretamos ser quem não somos (isso realmente acontece com todo mundo) apenas para escaparmos de algumas situações e para, outras tantas, nos sairmos "vitoriosos".

O que aconteceu em Dublin é que, além de eu perceber tudo isso, os sinais que a vida me mostrou foram como um delicioso tapa na cara ( se é que isso, de alguma maneira, pode se tornar algo delicioso de receber!).

Pela primeira vez me vi completamente sozinha. Não tinha ninguém me esperando no aeroporto, não conhecia a cidade, muito menos o país. Não tinha hotel reservado, nem casa de algum conhecido. Sabia mais ou menos a distância do aeroporto pro lugar onde queria ficar, tudo o que eu tinha era um mapa da cidade.
Não tinha ninguém com quem combinar alguma coisa, um almoço ou passeio. Muito menos com quem me preocupar. A única certeza que tinha é que ali teria que ficar 6 noites.

Depois de muito andar, consegui um lugar confortável, num preço razoável pra passar minha quase uma semana. Nas primeiras horas me deixei abater por um tédio enorme. O que eu tô fazendo sozinha aqui?
Ao invés de me deixar mergulhar nesse sentimento de que 6 noites seriam uma eternidade, fiz um acordo comigo mesma de que todos os dias que eu acordasse me perguntaria: E ai Kakká? O que você quer fazer hoje? (isso me fez lembrar um livro que acabei alguns dias atrás: COMER, AMAR, REZAR - recomendo, bom demais).
Tendo em mente que deveria somente fazer o que tivesse vontade, o que não foi muito comum no decorrer da minha vida, travei nos primeiros dias. Acho que fiquei quase 24 horas sem ter uma conversa decente com alguém. Descente eu digo, nada além de : um café por favor? Vc vende cigarros aqui? Quanto custa a Guinness? ahahaha!

Meu silencio me incomodava, mas me confortava. Parecia que a minha companhia comigo mesma já bastava. Sai na primeira noite, 2 cervejas já eram o bastante.

No dia 2 voltei a me perguntar: o que vc quer fazer hoje? ( pra ser sincera, ainda me forçando a fazer isso, e também com algum senimento de culpa por estar quieta e meio preguiçosa).
Sem tentar me forçar, fui até um parque e me sentei na grama. Passei a tarde toda lá.
Tava um dia lindo, uma orquesta tocava no coreto......sim um coreto!!!

Voltei pro albergue e conheci Sam, um cara bem tranquilo do norte da Califórnia. Dividiu o quarto comigo por uma noite. Saimos e tomamos umas 3 cervejas. Sai do pub pra comer umas batatas-fritas na calçada da praça. Não sei nem como e nem porque (também resolvi nem achar a resposta), um senhor irlandês ( lá com os seus 65 anos e longos dreadlocks brancos), começou a conversar comigo.
Michael, você quer uma batata?

Michael apareceu como um anjo da guarda. Dois metros de altura, ama o teatro. Místico, sorridente, espiritualista, morria de medo do trânsito, cheio de ensinamentos e mensagens por entre as linhas. Parecia um Lama budista no seu tom de voz e na cadiência das suas palavras, mas estava longe de sê-lo. Ficou irradiantemente (existe isso?) feliz por conseguir entrar num pub comigo, pois, segundo ele, na noite anterior não deixaram ele entrar pela sua aparência. Enquanto dançava uma boa música do anos 70, me agradecia a cada nova frase. No final da noite ele me convidou pra ir ao teatro no dia seguinte. Fiquei meio cabreira, mas pensando em estar aberta para as situações da vida....pensei: porque não???

Dia 3, na última hora decidi ir ao encontro de Michael no teatro. A peça foi brilhante! A luz era fenomenal! Mensagem sobre poder, dinheiro, as máscaras da sociedade e da vida em geral, que cada um tem o que merece, e o que faz por merecer. Realmente a vida é amor, foi a última fala da atriz. Acho que por mais que eu tente expressar o que eu senti, não conseguiria. Iria escrever linhas e mais linhas, ficaria até meio chato, mas o que eu sei é que no final da peça eu tive uma incontrolável crise de choro. Realmente de alguma forma, toda aquela mensagem era tudo o que eu precisava escutar naquele momento. De alguma maneira, tudo aquilo tocou muito fundo em mim.

Outra peça essencial dessa viagem, foi Michelle. Americana tão suave nos seus 22 anos, fez minha alma encher de alegria só por me agradecer de ver o meu sorriso no café da manhã, minutos antes de ela ir embora.

No dia 4 chegaram 3 mulheres irlandesas pra dividir o quarto comigo. Uma delas foi curtir com as amigas uma noite em Dublin, deixando os 3 filhos com o marido. Ficou impressionada que com os seus 39 anos (aparentando quase 50) que não tinha tido coragem de sair viajando como eu. Eu, a mochila, e nada mais. No final da noite, dentro do quarto, tive minha maior crise de riso com ela.....que tinha conhecido algumas horas atrás e que nem sequer lembro o seu nome (sim, aqui na Europa existe nomes bem difíceis de se lembrar!). Foi nessa madrugada que tomei conta do real significado dessa viagem toda.

De que vale a vida senão esses pequenos acontecimentos?
Desses pequenos (e enormes) momentos?

Vale a pena somente sobreviver à vida, aos dias?

Não, não vale.
Vale a pena você vender a sua alma?
Deixar de ser quem você realmente é, só pra agradar aos outros?

Não, não vale.

O que vale é amar a vida cada vez que você colocar ar em seus pulmões.
Cada segundo, cada passo.
Vale não apenas você se deixar levar, mas estar aberto pra isso.

Vale ter propósito, vale ter razão pela qual você faz as coisas, pela qual você decide tomar certas atitudes e não apenas para ver o que vai rolar.
Vale a pena ter objetivo, ter meta e que elas sejam baseadas em seus sonhos, para assim poderem ser realizadas com paixão. Para poderem, realmente, no final terem VALIDO A PENA.


Vale a pena SER FELIZ e não viver buscando a felicidade.


Mais um ciclo se fecha. As peças do quebra-cabeça da minha vida se encaixam tão facilmente agora. Todos os personagens dessa minha vinda à Dublin não têem consciência do que fizeram por mim. Foi muito mais do que uma frase confortante, do que umas boas risadas, ou de ter visto a felicidade de Michael dentro daquele pub.
Eu, por outro lado, tomei consciência do propósito da minha vida.
Voltei a ter fé. Voltei a acreditar. Posso dizer que renasci.
Olhe para dentro de você... Tire as suas máscaras. Elas não te servem mais. Carregue a sua cruz sem culpa de ser quem você é.

Melhore. Cresça.
Evolua.

E, de coração, tenha uma boa viagem!


Música: Take on me - A-ha

Frase: A felicidade não é o alvo da flecha, e sim a trajetória que ela faz.


Um pouco do sentimento de Dublin....
video

terça-feira, 26 de maio de 2009

No inside subject


Faz tanto tempo que não escrevo, estava sentindo falta, mas acredito que a prática de dedilhar letra por letra tenha que sair natural e facilmente. Muitas vezes pensei que deveria escrever sobre determinado assunto, mas quando me sentava na frente do computador, simplesmente não saia nada. Passados quase que 3 meses depois da minha última postagem, agora sinto que o texto abaixo vem da parte mais íntima e profunda do meu ser. Por esse motivo ele se torna o mais importante de todos os que eu escrevi, ou os que eu venha a escrever. Nesse tempo, muitas mudanças ocorreram na minha vida. Mudanças realmente significativas, as quais foram tomadas pela minha própria pessoa - consciente e entregue de coração. Tudo novo: novo ar, novo país, nova casa, novo relacionamento, novos amigos, novas esperanças, novos medos, novos trabalhos, nova língua, novas ansiedades, novas cores, novo estilo de vida, novas comidas, bebidas, festas, novos costumes. Um pensamento vem na cabeça "Uau, que demais! Tudo novo. Que felicidade! Quantas pessoas não queriam ter isso na vida?" Paro e agradeço. Agradeço de novo, e mais uma vez. Sim, me sinto uma pessoa abençoada, por poder vivenciar essa experiência e tirar dela a maior quantidade de coisas positivas e das negativas, conseguir amadurecer com elas. Amadurecer. Vou atrás do significado dessa palavra tão usada e que sempre soou, pelo menos pra mim, com um grande anseio de ser encontrada.

Maturação ou amadurecimento:

"Dentro de uma visão psicológica, diz-se o ser humano maduro, aquele que tem uma grande experiência de vida e uma visão melhor dessa no seu sentido filosófico. A maturação, nesse sentido, pode ocorrer após ou durante uma crise psicológica, desencadeada, geralmente, por algum evento importante na vida do indivíduo.

Depois de ler, reler. Paro, penso, reflito. Leio mais uma vez, só pra ter a certeza de que é isso mesmo. Grande experiência de vida, sim eu estou definitivamente tendo uma. Ter uma visão melhor dessa experiência, sim é o que eu, com toda certeza, sempre estou buscando. Pode ocorrer após ou durante uma crise psicológica, OPA! É ai que, mesmo eu descobrindo só algumas horas atrás, é aonde eu me encaixo. Desencadeada, geralmente, por algum evento importante na vida do indivíduo, será mesmo que chegou a minha hora? Nossa, será? Suspiro. Suspiro profundamente, não porque apenas acho que sim, mas por saber que por trás disso vem outras tantas palavras que sempre me assustaram muito.

Responsabilidade. Continuando na mesma linha, vou atrás do significado dessa palavra, pra não apenas colocar aqui o meu conceito e os meus valores, que nesses meus 31 anos, começam me parecer totalmente equivocados.

"Responsabilidade é a obrigação a responder pelas próprias ações, e pressupõe que as mesmas se apóiam em razões ou motivos. Muitos defendem que se não há livre-arbítrio não pode haver resonsabilidade individual, pois as ações pelas quais o indivíduo seria responsabilizado não foram praticadas de livre e espontânea vontade."

Ok. Eu respondo pelas minhas próprias ações? Às vezes, muitas vezes não. Ações apoiadas em razões ou motivos? Não, não, não. Vou ser franca comigo , a maioria das vezes eu respondo pelas que me convém, mas grande parte delas envolvendo outras pessoas e não a mim, sempre pra fazer bem a alguém, muitas vezes sem motivo, ou razão alguma, apenas porque sinto que devo fazer e pronto! Agora percebo que isso se chama o inverso, irresponsabilidade. Responder pelas minhas ações com relação ao que deveria ser responsabilidade do outro. Sim, sou ótima nisso. Mas as minhas? As minhas eu sempre fui deixando pelo caminho, sempre ficavam pra depois. Livre-arbrítrio? Sim, sempre coloquei essa linda palavra na minha vida, mas tomada mais como uma fuga do que para usá-la de forma coerente. Voltando ao significado:

"Uma pessoa responsável, parte-se do príncipio que, tendo a plena consciência das consequências dos seus atos, vai praticá-los em favor do seu próprio e comum bem-estar."

Isso vem como um soco na boca do meu estômago. "Em favor do seu próprio e comum bem-estar". Eu nunca consegui pensar em mim antes de pensar em alguém. E quando eu acho que estou começando a fazer isso, me sinto um tanto quanto egoísta demais pra minha alma. Acho que é aí que está tudo. Sofro, o meu próprio sofrimento. Do meu próprio Eu.

E por fim, eu sabia, o nocaute era inevitável....

"Ser responsável é a obrigação de qualquer cidadão para uma vida saudável em sociedade. É você responder seus atos de acordo com a sua idade."

Hahahahaha! Chega até a ser engraçado! Depois de uma noite em claro na maior crise de choro que eu já tive, todo esse texto toma o mais amplo sentido na minha vida. Nunca quis olhar pra atrás, revirar meu passado, minha infância, minha educação. Nunca quis tocar na falta que meu pai me fez quando eu era criança, e que marca isso deixou em mim. Nunca quis apertar, beliscar, enfiar o dedo nas minhas feridas. Nunca quis me deixar tomar consciência de que elas ainda estão abertas. Sempre guardei os fatos positivos. As coisas belas. Os sentimentos bons. O cuidados da pessoas, o amor, a compaixão.

Da minha infância, guardo as imagens bonitas. Minha vó cuidando de mim, minha mãe sempre me dando atenção quando voltava tarde da noite do trabalho, meus amigos brincando na rua, minha escola. Não é que não tenha que lembrar das coisas boas, mas muitas fichas começam a cair. Me escondi atrás dos bonitos acontecimentos, mascarei muitas das minhas atitudes. Nunca tive uma vida financeiramente estável, desde que me conheço por gente, e isso, confesso, sempre me deixou meio revoltada. Isso me fez ter que trabalhar muito cedo, ter que tomar a responsabilidade que era dos outros. Trabalho e responsabilidade não eram "coisas que andavam juntas" elas era coladas com Super Bonder. Sempre se tornavam pesadas, nunca bem sentidas, muito menos aprimoradas. Uma cruz a ser carregada.

Junto com tudo isso vem o medo. É possível amadurecer sem perder minha essência? Sem perder o meu coração cheio de compaixão, sem perder a minha "meniniçe" (?), sem perder a minha inocência? Travo de pensar que posso virar uma pessoa amargurada e dura. Vivendo somente com a razão e com um resto de sentimento. Não quero isso. Tenho medo. Mas se a vida pede amadurecimento, como em tantos outros momentos, porque novamente pegar o atalho? Fugir de novo adianta? Não, respondo pra mim mesma. Você, Carolina, sempre soube que não.

Suspiro novamente. Meu peito parece mais leve. Agradeço por começar o meu processo de consciência na metade dos meus 31 anos, e nao com 60. Já não importa muito mais o sentimento de culpa que eu sempre tive de que já se passou muito tempo, que parei no ponto, que demorei demais. Agradeço novamente por todas as pessoas que me ajudam a me tornar um ser humano melhor, não por pensar e fazer bem a elas, mas por me conhecer, me descobrir, por pensar em mim. Me amar, antes de amar aos outros!

Agradeço por me sentir exausta nesse momento. Agradeço a você, por conhecer as minhas fraquezas e continuar acreditando em mim.

Obrigada.



sexta-feira, 13 de março de 2009

Diamonds inside


Para mais uma postagem, mais um assunto que intriga.


Cada vez que paro para refletir ou meditar, seja sobre a minha vida ou sobre o mundo, acabo tomando conta dos meus sentimentos e descobrindo outros tantos.

Pegando carona no texto da última postagem, a relação entre estar receptivo ou não às pessoas e às situações que a vida te impõe (sim, às vezes ela faz isso!) ou te mostra, cai no pensamento de que temos percepções diferentes dependendo do assunto do momento.


Estar aberto, de coração aberto, de alma aberta, de braços aberto para as oportunidades que a vida te mostra. Acredito que a vida é feita de oportunidades. Quando se está aberto, receptivo, o universo te mostra: olha....presta atenção....estou te dando esta oportunidade, esta chance! Cabe a você decidir se quer se agarra-la ou não. Cabe a você, que dotado de livre arbítrio, decidir se faz bem ou não, se cabe no seu contexto, na sua cabeça, no seu coração.


Tudo o que somos, ou que muitas vezes achamos que somos, vem em grande parte da percepção que temos sobre os sentimentos, as situações, os nossos valores. Tendo valores diferentes, temos percepções diferentes, mesmo que o ponto de foco seja o mesmo. Eu posso achar uma flor mais bonita que você, posso me deixar tocar mais profundamente por uma senhora pedindo esmola muito mais do que você. O sol pode me fazer sentir melhor do que você se sente num dia de chuva. O outono pode ser a minha estação preferida, enquanto você prefere o verão. Não quer dizer que gosto não se discute (sim, muitas vezes se discute), o que eu quero dizer é que muitas vezes o que é importante pra mim, pode não significar nada pra você e vice-versa.


Quando estamos abertos às nossas percepções e às percepções das outras pessoas, criamos dentro dessa relação uma coisa chamada respeito. Respeito, pelo sentimentos dos outros, respeito pela opinião dos outros, respeito pela visão que o outro tem do mundo (que pode ser fisicamente, o mesmo mundo que o seu, mas que na realidade não é). Acredito que respeitando o sentimento das pessoas (partindo desse ponto que cada um tem sua própria visão, criando assim sua própria realidade), podemos tornar as diferenças em saudáveis sorrisos.


O que acontece é que nem todo mundo tem essa percepção. Nem todo mundo respeita e faz questão de entender o sentimento das outras pessoas, quer tenham um relacionamento ou não. Seja ele de amizade, familiar, ou até mesmo de amor.

Quando sentimos que alguém ignora esses sentimentos, nos tornamos raivosos, muitas vezes nos anulamos, e quando mesmo assim queremos ainda segurar a situação, chegamos ao ponto de mendigar. Mendigar por atenção, por carinho, por amor. Se contentar com o que temos e nada mais. Não buscar, não realizar, não caminhar, não crescer, não evoluir. Simplesmente nos entregamos e nos acomodamos. Por que?


Porque quando nos encontramos numa situação que nos parece favorável, mas que ao mesmo tempo não encontra com os seus sonhos, em o que você quer pra sua vida, simplesmente nos acomodamos? Será que é medo de encarar o novo? Será que é repreensão do seu próprio corpo em entregar o seu coração aos seus sonhos? Será que, conforme os anos se passam, deixamos de lado o que "sentimos" e passamos a agir pelo que "pensamos"? Será que deixamos de lutar apenas porque já nos decepcionamos demais? Será que vale a pena tentar de novo? Pular de cabeça? Entregar seu coração? Será que vale mais a pena escutar seu coração do que sua cabeça?


A reposta, meus queridos, é sim! E é sim, não só porque eu acredito na beleza da vida. Não é só porque eu acredito que existe uma força maior que nos leva para os caminhos certos. Não é porque prefiro dar 100% de confiança para todas as pessoas, ao invés de deixá-las pisando em ovos. Não é só porque acredito que a vida te mostra sinais, sinais que devem vistos, escutados, guardados e quem sabe, muitas vezes, avaliados.

A resposta é sim porque dentro de cada um de nós existe uma linda pedra preciosa....um lindo e brilhante diamante. Cabe a nós sabermos deixar ele brilhar! Cabe a nós não esquecermos nunca de que ele está ali. Cabe a nós não deixarmos alguém acabar com sua beleza. Isso é ter 100% de confiança de saber que você é rico por dentro, de que você merece tudo o que deseja, merece tudo o que sonha. E mais, saber que você não fará nada que faça ele empobrecer.


Você já se olhou no espelho hoje? O que você vê? Você gosta do que você vê?

Se você não gosta, mude. Se você não brilha, escute seu coração, veja o que ele tem a te dizer!


Abro o Osho texto 264, vou postar aqui esse pedaço:


"É como se, não tendo verificado o seu bolso, você achasse que é um mendigo; fica então a mendigar....e em seu bolso você está carregando um valioso diamante que lhe poderia dar tesouros suficientes para toda sua vida. Então, um dia você coloca a mão no bolso e, subitamente , é um imperador. Existencialmente nada mudou, a situação é a mesma: o diamante estava ali antes, o diamante está aqui agora. A única coisa que mudou é que agora você ficou consciente de que o possui".


Você já colocou a mão no seu bolso hoje?



Música: She had diamonds inside - Ben Harper


Frase: Se você ficar consciente, repetidamente reconhecerá que você já está lá, exatamente aonde estava tentando chegar.

domingo, 8 de março de 2009

The circle of life

Com tantas mudanças na cabeça e na realidade paro pra pensar (e como!) sobre o que já aconteceu na minha vida até agora. Domingo passado , 1 de Março completei meus 31 anos de vida. Idade boa, de crescimento, descobrimento e mais, de realizações. Pelo menos é o que eu sinto no meu interior.
Esse meu 31 anos foi muito especial. Até agora foi o meu melhor aniversário. O dia estava lindo, céu azul, sem uma nuvem, com pessoas que eu amo ao meu lado, campeonato. Uns dias antes dele fiquei imaginando como seria! Sabia que teria o campeonato, sabia que teriam pessoas que eu amo (estando elas longe ou não), sabia que não teriam muitas ondas. Sabia que seria um dia único…
Realmente dia 1 de março de 2009 não vai sair da minha doidinha cabeça nunca mais!
Sempre acreditei, desde pequena (isso devo agradacer a minha mãe!!!) que a vida .como dizem, é redonda….assim como os planetas, o sol, o nossos olhos, a onda qdo vista por baixo da água. A skol desce redonda, a salsicha é redonda, a parafina também é. Algumas pessoas são redondas, temos narizes redondos, barrigas redondas, dedos redondos, mamilos redondos (até “orifícios” redondos!), Redonda também é a nossa alma. Redonda de alegria, redonda de carinho, arredondada de luz.
A única coisa interessante que acho que aprendi na faculdade (pelo menos a única coisa a qual eu vou guardar pra vida toda) foi que todos nós somos envolvidos em uma bolha, sua própria bolha redonda. A minha pode ser grandona, bem larga, tomando assim bastante espaço. Ou então pode também ser bem colada ao meu corpo, fazendo com que tenha menos espaço entre eu e “a bolha”.
Se a sua está muito inflada, o que acontece é que sobra espaço entre vc e ela. Ou seja, vc se torna uma pessoa espaçosa e não deixa as as coisas encostarem muito em vc. Sejam elas boas ou ruins. Se ela está murcha (isso não quer dizer que ela esteja”triste”) vc se torna uma pessoa acessível e aberta a receber e a doar. Ela pode inflar ou murchar dependendo do lugar em que vc se encontra, e se sente `a vontade ou não. Ela pode fazer isso também com determinadas pessoas, com as quais nos relacionamos ou não.
Num metrô lotado ela incha, você se incomoda que as pessoas te encostam. Num abraço carinhoso, ela murcha. Quando se vê uma briga ela incha, quando se vê um sorriso, ela murcha. Quando você ouve algum insulto ela incha, mas fica murchinha quando escuta “eu te amo” de quem se ama.
Pensando nessa única lição, chego a conclusão que desde os meus, mais ou menos, 12 anos, continuo acreditando que a vida é feita de ciclos. Ê, como se fossem várias vidas dentro de uma só. Várias histórias num mesmo filme, quase que uma novela!

Acreditando nessa circunferência da vida, é óbvio que caimos no pensamento de que se alguma coisa veio e não foi resolvida ela irá voltar para vc. Assim como toda a energia que você manda, para os outros, volta pra vc. Se você não aprendeu a cuidar de alguém e se ferrou, provavelmente terá um grande amor para aprender a fazer isso. Se você não aprendeu a lutar e danou-se, provavelmente terá muito trabalho na vida. Se você não aprendeu a superar seus medos e recuou, provavelmente terá muitos desafios pela frente. Se você não aprendeu a se importar com a sua alma, provavelmente você terá alguma surpresa inesperada da vida. Que fará com que você veja a existência na sua mais pura essência.

O que aconteceu nos meus 31 anos foi que eu senti que um ciclo da minha vida acabou. E acabou tão maravilhosamente bem! No dia primeiro, ganhei meu primeiro parabéns logo `a meia noite, ganhei meu primeiro “primeiro lugar “ no campeonato, o Diego (moleke que mora no meu coração e que ensinei a surfar) também ganhou seu primeiro “primeiro lugar “, ou seja, foi tudo de primeira!
Refletindo sobre isso, respiro fundo pensando que quando se acaba um ciclo, se começa outro. A sensação é de alívio, de satisfação, de orgulho e mais, de merecimento. Coisa de Deus.
Respiro fundo novamente e sinto paz e solitude. Sim, se um terminou, se prepare, pois um novo ciclo começará!

Song: Porcelain – Moby
Frase: “Quando você está completamente silencioso e sereno e não há movimento na mente, começa a se sentir como o grande ponto culminante da montanha, coroado de neve.”

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

OUR OWN LIFE


Faziam alguns belos dias que não escrevia, além de não postar nada há algum tempo, não conseguia parar pra escrever (mesmo tendo muitos assuntos desenrolados na minha cabeça que dariam , quem sabe, bons textos).
Muitas coisas aconteceram. Temos um novo presidente nos Estados Unidos (sendo ele negro ou não), tivemos enchentes, crise mundial, ano novo, irmão que brigou com a mãe, casa lotada, muitas cores, muito sol, muitas ondas, muito verão, alguma sombra e, para alguns, muita água fresca.
Não entendo e nem leio sobre políica brasileira ou mundial, me informo o pouco que acho necessário, e só. Penso que escrevendo isso algumas pessoas me julguem mal….enfim, acho que 90% da população brasileira age assim, ou por falta de interesse, ou por falta de educação. Acredito que uma pessoa que não tem conhecimento da política mundial não possa ser menos bem tratada que outras. Mas, enfim, conceitos não são discutíveis.
O que quero tentar mostrar é que nesses 3 meses que fiquei no litoral paulista percebi que as pessoas de menor renda continuam fazendo seus trabalhos sem se preocupar com essa tal famosa crise mundial. E elas continuam caminhando sem nem perceber o que se passa! Será que se ás vezes soubermos menos, ganhamos mais!
Sim! Acredito que sim. Ora, muitas vezes pessoas deixam de se envolver com outras pra não terem que cuidar dos problemas dos outros, outras querem apenas “fazer o que lhe cabe ao salário”, vc pode estar com um saco de pão na mão, mas não vou deixar vc passar na minha frente, eu vi a vaga primeiro, sai da frente!

A porcentagem de ouvir algumas coisas assim na praia é bem menor do que na capital. Será muita informação? Muito barulho, muita novidade? Talvez muita luz, ou poucos passarinhos…..

Ouvi tanta gente falando que 2008 tinha que acabar logo, que tinha sido um dos piores anos. Teve até gente que mandou”Afe, igual a esse não quero nunca mais!” E não foram, assim, 3 ou 4 pessoas, foram muitas! Eu paralizava cada vez que eu ouvia e ficava meio que sem palavras, pois pra mim pessoalmente, 2008 foi O ANO!

Foi o ano porque tudo o que eu pensei em fazer eu fiz. Não fiz altas viagens, ou comprei altas coisas. Pelo contrário, não comprei nada, ganhei quase tudo, trabalhei em troca de cuidar dos meus cachorros e correr meus campeonatos. Consegui resultados não esperados pro primeiro ano (com relação “eu comigo mesma”). Tive alguns desafios onde consegui vencer medos, tive alegrias ( muitas!), tive mais amor para dar e mais pra receber, tive alívios e responsabilidades. O que me deu mais alegria em 2008 foi que eu aprendi a acreditar em mim 100%. Aquilo que desejamos se torna parte da sua realidade.
Se vc quiser um grande amor, vc terá. Se vc quer ser uma boa surfista, será. Se quer amigos, terá. Se quer viajar, explorar, sorrir, chorar de tanto sorrir,terá. Se quer paz e sossego, terá! Deseje. Ouse. SE ESCUTE!

Parece alguma coisa tipo “the secret”, mas a real é que quando nos visualizamos fazendo determinada coisa, dá certo! Acontece! Se torna real!
Dentro de nós temos um poderoso sentimento chamado intuição.
Aquela voz que escutamos dentro da gente e que de repente faz vc mudar de idéia, avançar, se declarar, dar um passo atrás. De repente faz vc mudar de vida, de enxergar as coisas com um olhar que vc nunca tinha reparado. E é ela quem sabe o que vc quer, é ela que te faz acreditar.
Parece meio papo de doido, mas depois que 2008 acabou (ebaaaaaaaaaaaa pra grande maioria!) e chegaram os primeiros dias de 2009, cai na real e pensei! Porra, e agora?
Cadê aquele ano? Já acabou??? Mas tava tão bom! Não pode ter acabado!!!! Kkkkkkkk!!!!
Juro, deu um sentimento de vazio….que eu vou fazer agora?
Depois de uns dias pensando no que eu tava sentindo descobri, veja só, que eu tava daquele jeito, provavelmente, porque nao tinha planejado nada para o ano seguinte.
Não sou uma pessoa que goste de planos, planejamento, planilhas…..coisas assim. Sempre falo que não planejo meu futuro (é sim, não ria, é tipo “meu futuro a Deus pertence”), não planejo uma viagem, nem a hora de comer, de trabalhar. Acho que não gosto de planejar nem a hora de acordar!!! Kkkk! * pra que planejar um dia antes que horas seus olhos estarão dispostos a abrir???? Que legal seria se fosse assim!!!!kkkk

Mas como querer fazer sem planejar? Sem querer ir contra o que eu não gosto resolvi mudar de visão e não me forçar a planejar, e sim a REALIZAR!

Pronto, decidido 2009 será um ano de realizações! Vamos pensar o que eu quero realizar? Viagens, campeonatos, algum trabalho, muitas ondas, amor, mãe, ajudar ao próximo, amigos......Hum, acho que vai ficar pra uma próxima postagem!

Esse ano……REALIZE-SE!!!


Música: in your eyes - ben harper

Frase: Deseje o bem, o bem virá a você.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

My Dad, My Hero

Pai...
A figura. O homem. O Herói.
Pai é símbolo. É o abraço forte, a mão que aperta. Pai é colo, é conforto, é segurança.
Pai é espelho, é coragem, é honra e lealdade.
Pai é carinho, é amor, é confiança.

Pai e mãe são dois mundos em um só pra uma criança de 4 anos. Sem distinguir que um vive (e consegue viver) sem o outro, a criança vê nos dois sua fortaleza.
Para crianças a separação de seus dois mundos fica por um tempo como uma interrogação....???????

Meus pais se separaram quando eu tinha 4 anos. Acho que não tenho consciência de quanta falta eu sentia do meu pai com essa idade....fui tomar conta alguns anos depois.

Na minha opinião, eu tive a melhor infãncia que eu poderia ter!
Minha mãe trabalhava direto, ganhei independência bem cedo (o que em alguns momento confesso ter sido meio cedo demais), pegava minha bike ou meu skate e ia pra escola sozinha....no final do dia ia de novo, pra fazer meus 3 treinos de handbol!!!....só voltava 10 da noite....bons tempos!
A Rua ainda era de terra, poucos prédios, muita criança na rua empinando pipa, andando de carrinho de rolemã ( meu pai fez um pro meu irmão, e claro que acabou ficando pra mim! valeu pai!),fazendo sky bunda no barranco! Enfim....
Acho que toda essa atividade (que eu amava!) acabou ocupando bastante a minha vida.
O que eu demorei muito pra perceber é o quanto meu pai me fez falta nessa época.

Fiquei encanando muitos anos pq eu conseguia fazer mais amizades com homens do que com mulheres ( ainda sou assim!!! kkkk!)....Depois desencanei. Psicologicamente falam que tem muito a ver, mas prefiro continuar achando que homens são amigos mais leais mesmo!
Desculpa amigas....mas sei que as que eu tenho tb falariam a mesma coisa!

Me distanciei um tempo do meu pai.
Acredito que esse tempo me fez entender, fez eu me entender.
Entendi que pai e mãe não sabem de tudo. Somos nós que achamos que sabem (e eles tb acham! hehe)!
Na verdade enxerguei que é uma linda troca: nós aprendemos com eles tudo o que eles sabem. Eles porém, aprendem com a gente tudo o que NÃO sabem!.

Aos 21, percebi que o que interessa na vida é ser feliz e ele tava indo atrás da felicidade dele.
Começei a deixar de culpar alguém ou algo (quem sabe até Deus!).
Deixei de julgar os atos humanos e tentar passar a entendê-los.

Com isso, mesmo que indiretamente, meu pai me fez crescer!
Hoje vejo que esse foi o crescimento mais importante na minha vida (até agora pelo menos!)
Obrigada

Sempre senti um amor imenso pelo meu pai. Imenso e intenso.
Um amor puro.Simples.
Vou descobrindo pelos seu jestos como temos muitas coisas em omum, e o que tem nele de mais forte em mim...

Vejo em mim essa ânsia que ele tem de conhecer novos lugares e viajar, descobri da onde vem minha loucura por animais, de onde veio meu dedão largo.....kkkkk!

Sempre me deu força na minhas (saudáveis) loucuras. Sei que sempre torçeu pela minha felicidade.
Sempre se preocupou, mesmo não estando tão perto.
Sei que vc foi, é e sempre será meu pai. Meu pai. Meu herói.
Não importa que caminho a vida seguiu, que rumo a felicidade tomou. Meu amor por vc é enorme e incondicional.

Sempre quis ter vc mais perto....
Tudo que está no passado não se pode mudar, o pensamento é o presente e a esperança é o futuro.

Obrigada pela sua força. Me espelho na sua coragem (acho que por isso sou atirada em muitas coisas na vida).
Obrigada por sempre me apoiar, por acreditar e por confiar em mim!

Pai te amo com toda minha força.

Sempre serei sua menininha, mas agora já mulher!

Kika.

ufa!

Song_Raindrops keep falling of my head ( for u dad)

Frase_"No momento em que você tem em seu coração esta coisa extraordinária chamada amor,
e sente a profundidade, a alegria e o êxtase dele, você descobrirá que para você o mundo é transformado."